VEJA O VÍDEO:











A nova apresentadora do “Jornal Nacional”, Renata Vasconcellos, ganha um baita salário da Rede Globo. A jornalista que ficou no lugar de Patrícia Poeta, recebe R$ 200 mil para apresentar o telejornal ao lado de William Bonner.

Mas a função dela não é apenas ancorar o “JN”, ela também é editora-executiva, já Bonner ganha bem mais por ser editor-chefe.

Renata está comandando o “Jornal Nacional” desde o dia  3 de novembro, e teve a aprovação da maioria dos telespectadores.









O disparo acidental de uma das armas da vítima, de fabricação caseira, acertou a região genital

Um lavrador de Cachoeira Alta, zona rural de Alegre, no Sul do Estado, ficou ferido gravemente após manusear uma das armas em casa. O disparo acidental de uma das armas, de fabricação caseira, acertou a região genital e atingiu os testículos. Na residência, outras armas e munições foram encontradas pela polícia.

De acordo com a Polícia Militar, o caso aconteceu no início da madrugada deste domingo (23). Os militares foram acionados pela equipe médica do pronto socorro do município onde o lavrador, de 50 anos, foi socorrido por populares. Na casa do lavrador, outras quatro armas, diversos tipos de munições, coldres, além de pólvora, foram encontrados.

A bala ficou alojada no fêmur. O lavrador foi encaminhado para cirurgia no Hospital Estadual São Lucas, onde permanece internado. Como não possui registro, ele deve responder por porte ilegal e fabricação de arma de fogo.

Fonte: A Gazeta









João Pereira Cardoso Neto, de 15 anos, chegou a ser socorrido por amigos até o hospital do município, mas não resistiu


Um adolescente morreu na tarde deste sábado (22) após se afogar em uma cachoeira em São José do Calçado, no Sul do Estado. João Pereira Cardoso Neto, de 15 anos, chegou a ser socorrido por amigos até o hospital do município, mas não resistiu.

Segundo a Polícia Militar, o adolescente tomava banho na cachoeira, localizada na Fazenda Boa Vista, zona rural do município. Ainda de acordo com os militares, apesar de ser uma propriedade particular, o local fica aberto ao público.

Sonho realizado

Nas redes sociais, a mãe do jovem recebeu diversas homenagens de amigos e familiares da vítima. Em uma postagem com um clipe da música ‘A Igreja Vem’, do cantor cachoeirense Anderson Freire, ela conta que o adolescente pediu um CD do artista no aniversário por conta da música.

“Não tenho como dizer o que estou sentindo. Este é o louvor que meu eterno bebê mais gostava. O sonho era conhecer Anderson e pedir para autografar. Esse sonho foi realizado. Te amo meu filho”.

Fonte: A Gazeta










Um grave acidente ocorreu na manhã deste sábado, 22/11  em Burarama, distrito de Cachoeiro. De acordo com informações da Polícia Militar, o veículo modelo Celta, onde estava quatro pessoas se desgovernou e atingiu uma árvore. Na colisão, Lais Zago Gomes, 23 anos, que estava no banco de trás do carro foi arremessada para fora e morreu na hora. Os outros ocupantes do automóvel  foram socorridos para a Santa Casa de Cachoeiro.

Segundo familiares de Lais, a jovem residia em Jerônimo Monteiro, voltava de uma festa em Cachoerio, e seguia com os amigos para Burarama onde pegaria sua motocicleta que havia deixado na casa de uma amiga.

O corpo da jovem foi encaminhado para o Serviço Médico Legal (SML) do município, onde foi necropsiado e liberado para velório e sepultamento.

Em sua página no Facebook, em uma última foto postada no dia 16 de novembro, amigos deixaram homenagens e outros ainda disseram não acreditar no que havia acontecido.


ATENÇÃO IMAGENS FORTES:



(CLIQUE SOBRE A IMAGEM PARA AMPLIAR)













Caiado no ataque: governo Dilma evitou medidas impopulares para se reeleger


O líder da oposição no Congresso, deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), entrou com representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra dez autoridades do governo Dilma Rousseff, com a acusação de crime de responsabilidade e improbidade administrativa. A denúncia relata atraso na divulgação de dados oficiais e adoção de medidas econômicas durante o período eleitoral.
Caiado lista uma série de descumprimentos de cronogramas oficiais, balanços e divulgação de estatísticas que, em sua opinião, serviram para mascarar a “real situação do país” com vistas à reeleição da presidenta Dilma Rousseff. Entre as ações premeditadas para não interferir o processo eleitoral, aponta o deputado, estão os registros de aumento da miséria absoluta, o avanço do desmatamento na Amazônia e a queda na arrecadação de tributos.

“De todas as atrocidades cometidas nesta eleição, a mais vexatória, sem dúvida, foi o governo impondo a órgãos técnicos uma mordaça para que a população não soubesse a real situação do país. Mais do que ninguém, eles sabiam como estavam fazendo um mau governo e como isso não podia ser revelado durante as eleições”, declara o líder oposicionista.

Entre os denunciados por Caiado estão os ministros Guido Mantega (Fazenda), Edison Lobão (Minas e Energia), Izabella Teixeira (Meio Ambiente) e Clélio Campolina Diniz (Ciência, Tecnologia e Inovação), além do chefe da Secretaria Especial para Assuntos Estratégicos, Marcelo Côrtes. Também são acusados presidentes e diretores de agências: os presidentes do Banco Central, Alexandre Tombini, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), Volney Zanardi Júnior, e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Suarez Soares; e os diretores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Leonel Fernando Perondi, e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino.

“Quebraram a Petrobras”

Segundo Caiado, as informações oficiais foram divulgadas com atraso propositadamente, em até duas semanas depois do segundo turno das eleições (26 de outubro). O parlamentar aponta a adoção de medidas econômicas “impopulares”, por parte do governo, apenas depois do fim do pleito, todas “necessárias para tentar conter a estagnação econômica que afeta o país”. Entre elas, o aumento da taxa básica de juros (Selic) para 11,25%, pelo Comitê de Política Monetária (Copom), só depois da corrida eleitoral, quando o correto, segundo Caiado, seria fazê-lo meses atrás, para que o país não ficasse todo esse tempo “sem amparo governamental à economia”.

“Passaram a campanha fazendo terrorismo eleitoral relacionando alta dos juros como o vilão do trabalhador. E o que fizeram uma semana depois? Foram na contramão de sua propaganda populista e adotaram a medida necessária”, fustigou Caiado.

Outra medida atrasada de propósito, lembra ainda o deputado, foi o represamente do preço dos combustíveis, levando a Petrobras a perdas de receita. O objetivo, diz o deputado, foi camuflar o efeito da “inflação descontrolada” na economia popular. “Quebraram a Petrobras, por um lado, com a corrupção. E, por outro, sacrificando a empresa. Fizeram da estatal um cabo eleitoral de campanha. Foi ela que absorveu todo o prejuízo com o congelamento do preço da gasolina”, acrescentou.









PROCURADORA QUER SABER POR QUE EXÉRCITO MANTÉM HONRARIA A MENSALEIROS

O comandante do Exército, general Enzo Peri, enfrenta uma tremenda saia justa, em razão de sua relutância, que seus críticos preferem chamar de covardia, de cumprir o decreto que o obriga a cassar a Medalha do Pacificador, uma das principais honrarias militares, de agraciados condenados por corrupção no processo do mensalão. É que a procuradoria da República no Distrito Federal decidiu notificar o general a explicar sua atitude e informar providências no prazo máximo de quinze dias.

Fontes militares garantiram ao Diário do Poder que o comandante do Exército não cumpre o decreto 4.207, de 2003, cassando a Medalha do Pacificador ou a Ordem do Mérito Militar (decreto 3.522, do ano 2000) porque “morre de medo” de irritar a presidente Dilma Rousseff e o PT.

O ofício 8122/2014/PRDF, datado de 30 de outubro, assinado pela procuradora da República Eliana Pires Rocha, foi primeiro encaminhado ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que este, como manda o protocolo, o encaminhe ao destinatário final – o general Enzo Peri.
A procuradora informa ter chegado ao órgão duas representações contra o comandante do Exército. As representações dizem respeito apenas à Medalha do Pacificador conferida ao ex-deputado mensaleiro José Genoino (PT-SP), corrupto transitado em julgado. Mas a procuradora encontrou outros casos.

Eliana Pires Rocha lembra em sua comunicação que a Medalha do Pacificador – considerada uma das principais honrarias do Exército Brasileiro – foi concedida a outros condenados por corrupção no processo do mensalão, sem que tenham sido cassadas até este momento, como os ex-deputados João Paulo Cunha (PT-SP) e Valdemar Costa Neto (PR-SP). Ela também menciona o fato de o ex-ministro da Casa Civil do governo Lula, José Dirceu, considerado o chefe da quadrilha do mensalão e condenado no Supremo Tribunal Federal, ter sido agraciado com a Ordem do Mérito Militar, no Grau de Grande Oficial. O ex-deputado Roberto Jefferson, outro condenado no mensalão em sentença transitada em julgado, é “comendador” da Ordem do Mérito Militar.

O decreto 4.207/2003 determina a exclusão imediata de agraciados com a Medalha do Pacificador de condenados pela Justiça do Brasil, em qualquer foro, em sentença transitada em julgado, “por crimes contra a integridade e a soberania nacionais ou atentado contra o erário, as instituições e a sociedade brasileira”. Pelo decreto, “a cassação será feita ‘ex officio’ em ato do comandante do Exército em exercício. Já o decreto 3.522/2000, salienta a procuradora Eliana Pires Rocha em seu ofício, determina a exclusão da Ordem do Mérito Militar de agraciados que tenham cometidos os crimes já mencionados.
O assunto foi noticiado há um ano (23 de novembro de 2013), em primeira mão, pela coluna Claudio Humberto, do Diário do Poder, que voltou ao assunto por diversas vezes, sem que o comandante do Exército tenha se dignado a explicar sua atitude, tampouco informar se e quando cumpriria o determinam ambos os decretos. O general pode se esconder de jornalistas, mas não da Procuradoria da República, sob pena de responder na Justiça.

DIÁRIO DO PODER








Dois alunos da Escola Estadual Armando Nogueira, localizada na avenida Ceará, em Rio Branco, foram flagrados praticando sexo oral em um dos corredores da unidade escolar. A foto circula em vários grupos do Whatsapp e tomou de conta de outras redes sociais, como o Facebook, nesta tarde de segunda-feira (10).

Na imagem aparecem os alunos fardados enquanto uma garota se curva para praticar o ato sexual no rapaz. O garoto não perdeu tempo e tirou um ‘selfie’ do episódio que ocorreu a luz do dia. Os dois ainda não foram identificados.

A Escola Estadual Armando Nogueira é a unidade escolar modelo pela estrutura que oferece aos alunos, embora ocorram várias situações violentas entre os alunos.

Nas redes sociais os comentários são diversos. Alguns internautas levam o caso na esportiva, outros dizem ser questão social e outros dizem considerar ser deficiência nos serviços dos funcionários da escola.

“No meu tempo não tinha garotas assim. Pra da um bjs tinha que pra de traz da escola”, disse Almir Honorato.

“No meu tempo não havia essas coisas. Até saíssemos para tomar água era perseguição das tiazinhas dos corredores”, ressaltou Giovana Mesquita

“A escola não pode fazer nada se a menina não presta. Por a culpa nos pais também de nada adianta, tanta mãe e pai que ensina o caminho certo, mas o indivíduo não segue”, comentou Jakeline Said de Oliveira .

Procurada pela reportagem do ac24horas, a direção da Escola Armando Nogueira informou que o caso já está sendo analisado por uma equipe de professores para a identificação dos autores.

A diretoria destaca que caso os envolvidos sejam menores de idade os pais serão acionados para que tomem alguma providência. A direção informa que neste tipo de situação, geralmente a solução é a transferência dos alunos, mas que isso fica a critério dos responsáveis. Caso um dos envolvidos seja maior de idade, um Boletim de Ocorrência deverá ser registrado para que se abra uma investigação.















No carro viajavam quatro pessoas: duas mulheres, um idoso e uma criança
Quatro pessoas morreram e um caminhoneiro ficou ferido nesta terça-feira (18) após um acidente no Km 13, da rodovia ES 164, rodovia que liga Cachoeiro de Itapemirim a Vargem Alta, no Sul do Estado. De acordo com a polícia, um caminhão baú, que descia a serra em direção a Cachoeiro, tombou em cima de um Fiat Uno.

O acidente aconteceu no início da tarde, por volta das 14h, e interditou a pista nos dois sentidos por quatro horas. De acordo com a Polícia Militar, o caminhão descia a serra, quando tombou sobre o carro de passeio que seguia no mesmo sentido. O caminhão, com placa de Vila Velha, transportava alimentos.

No carro de passeio viajavam quatro pessoas: duas mulheres, um idoso e uma criança. O veículo foi totalmente esmagado pelo caminhão baú. Destroços do Fiat Uno ficaram espalhados na pista. Uma das ocupantes do carro, foi arremessada para fora do veículo. Todos os passageiros morreram no local.



O motorista do caminhão ficou preso as ferragens e foi removido pelo Corpo de Bombeiros para a Santa Casa de Cachoeiro. Ele sofreu diversos ferimentos pelo corpo e fraturou uma das pernas. O estado de saúde dele é estável.

Quem passa pelo trecho diariamente conta que é comum acidentes no local. O ajudante de serralheiro Roni Tobias conta que já presenciou outros tristes episódios na serra íngreme. “Aqui é uma curva muito perigosa. Já vi vários acidentes com motos, caminhões. Acho que falta sinalização, pois muitos não conhecem o trecho”, afirma.

O caminhão baú ficou atravessado, interditando as duas pistas. Foi preciso um outro caminhão para a remoção do veículo. Só depois foi possível retirar as vítimas do carro de passeio. Um longo engarrafamento se formou no trecho. Os corpos foram encaminhados ao Serviço médico Legal de Cachoeiro de Itapemirim.

Até o fechamento da matéria, aos familiares das vítimas não haviam chegado ao SML para a identificação e liberação dos corpos.

FONTE - GAZETA ONLINE









As manifestações para que os militares voltem ao poder no Brasil são rechaçadas com veemência pelos comandantes das Forças Armadas. "Os militares estão totalmente inseridos na democracia e não vão voltar. Isso eu garanto", disse à coluna o almirante Julio Soares de Moura Neto, comandante da Marinha.

A QUEM INTERESSA?
"Não sei quem anda inventando isso [manifestações pela volta dos militares ao poder], mas não faz o menor sentido. Os militares só voltam em seu papel institucional, que é o que têm hoje", completa Moura Neto.

EXTREMISTAS
"São opiniões de extremistas", diz o tentente-brigadeiro Juniti Saito, comandante da Aeronáutica. "[A volta dos militares] é algo impossível de acontecer. Só quem poderia tentar fazer isso é o pessoal da ativa [das Forças Armadas]. E, como nós não queremos nada nesse sentido, não há a menor chance de essas ideias evoluírem."

NADA SÉRIO
"Nós vivemos há muitos anos em um ambiente de absoluta normalidade", reforça o comandante do Exértico, general Enzo Peri.


"Vejo essas manifestações com naturalidade, mas elas não devem ter qualquer outra conotação", diz ele.
É O CASO?

Já quando abordados sobre o relatório da Comissão Nacional da Verdade, que deve responsabilizar inclusive ex-presidentes militares por crimes de tortura e execução de presos políticos, os comandantes mostram desconforto. "Eles estão cumprindo a lei", limita-se a dizer Saito. Questionado se o Exército se manifestará depois da divulgação do relatório, em dezembro, Enzo Peri disse: "Será o caso?".






Doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, citam José Carlos Cosenza, atual diretor de Abastecimento, entre pessoas que receberam suborno. Executivos de empreiteiras negam



O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef acusaram o atual diretor de Abastecimento da estatal, José Carlos Cosenza, de participação no esquema de cobrança de propinas a fornecedores da petrolífera. As acusações serviram de base às perguntas feitas durante os interrogatórios dos diretores presos das empreiteiras suspeitas de participar do petrolão, como ficou conhecido o esquema de desvio de recursos dos cofres da estatal para o bolso de políticos e partidos. Os depoimentos vieram a público nesta segunda-feira.

"Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef mencionaram a existência de pagamento de comissões pelas empreiteiras que mantinham contratos com a Petrobras, tendo como beneficiários além deles próprios, os diretores Duque, Cerveró e Cosenza, bem como alguns agentes políticos. Tem conhecimento destes pagamentos e de quem eram seus beneficiários?", perguntou o delegado Agnaldo Mendonça Alves aos executivos interrogados no fim de semana.

Othon Zanoide de Moraes Filho e Ildefonso Colares Filho, diretores da Queiroz Galvão, e Newton Prado Júnior e Carlos Eduardo Strauch Aubero, diretores da Engevix, negaram o pagamento de propina a qualquer pessoa ou a participação em cartel para fraudar licitações e combinar propostas à estatal. Eles responderam às perguntas da Polícia Federal de forma evasiva, confirmaram que mantinham contatos com Youssef, mas não explicaram repasses feitos pelas empresas às firmas do doleiro. Prado Júnior chegou a afirmar que os contratos com o doleiro foram firmados pelos sócios da Engevix: "Foi um contrato que foi orientado pelos sócios. O objeto do contrato é consultoria em nível estratégico e empresarial que foi prestada no nível dos sócios, ou seja, seria prestada diretamente aos sócios".

Interrogados nesta segunda-feira, José Adelmário Pinheiro Filho, Mateus Coutinho de Sá Oliveira, José Ricardo Nogueira Breghirolli, Alexandre Portela Barbosa e Agenor Franklin Magalhães Medeiros, diretores da OAS, preferiram ficar em silêncio. Os executivos serão ouvidos até terça-feira, quando vencem os prazos de prisão de 17 presos.









BARROSO EXPLICA QUE DECISÃO DE JOAQUIM CABIA À VEP (EXECUÇÕES PENAIS)

O ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do processo do mensalão, anulou nesta segunda-feira (18) a decisão do ex-presidente do Supremo Joaquim Barbosa que determinou o bloqueio e leilão dos bens dos mensaleiros. Barroso argumentou que a medida deveria ter sido tomada pela Vara de Execuções Penais (VEP), e não pelo STF.

“As providências relativas aos bens objeto de constrição inserem-se no âmbito da execução do acórdão proferido pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal no julgamento da AP 470”, escreveu Barroso, delegando a tarefa à VEP de Minas Gerais, onde estão presos os condenados do chamado núcleo publicitário do processo.

Entre os bens bloqueados, há mais de R$ 10 milhões em contas bancárias. Dos itens que seriam levados a leilão, há carros de luxo, cavalos saltadores, casas, apartamentos, lojas e terrenos.
A decisão de Barroso beneficia o publicitário Marcos Valério, Renilda de Souza (mulher do publicitário), e os sócios de Valério: Rogério Tolentino, Ramon Hollerbach e Cristiano Paz, além de cinco empresas do grupo.

Com o caso na primeira instância, as defesas poderão apresentar mais recursos contra eventuais decisões que considerem desfavoráveis a seus clientes.








Finalmente, Dione Lourenço Purcino foi preso pela Polícia Militar. Após aterrorizar a região de Muniz Freire e Iúna, o famoso Dioninha, marginal e traficante muito conhecido na região caiu, e caiu bonito.

Na tarde desta quarta feira (13/11), após denúncia e monitoração feita pela Polícia Militar, uma operação foi realizada para tentar deter Dione Lourenço Purcino. Um cerco foi feito na divisa do ES com MG em Pequiá. Dione estava em uma moto  e furou o bloqueio, entrando em seguida em uma estrada de chão sentido a comunidade de São João do Príncipe.

No trajeto com várias viaturas no encalço do criminoso, Dione caiu da moto e embrenhou-se no mato. Na fuga, ele disparou contra os PMs, que revidaram. Dione acabou sendo atingido por três tiros e foi socorrido para Hospital de Ibatiba e devido a gravidade dos ferimentos foi transferido para Vitória.

Com o marginal foi encontrado 2 tabletes grandes de maconha. Dione Lourenço Purcino possui diversas passagens pela polícia e vários mandados de prisão. E conhecido por atirar contra viaturas da PM, mas agora está no hospital entre a vida e a morte.

Matéria: Fernando Almança / ESGUIANET











Policiais Militares do 14° Batalhão apreenderam nesta quinta - feira, (13/11) , duas armas de fogo e 52 munições no Bairro Quilombo em Iúna.

As armas foram encontradas na residência de G.G.J., 18 anos e seu esposo M.C.M., 22 anos. Denúncias anônimas davam conta de que tais armas seriam de familiares envolvidos no tráfico de drogas, que após patrulhamentos, não foram localizados.

Os envolvidos e o material apreendido foram encaminhados ao plantão policial de Iúna para o registro da ocorrência.

A Polícia Militar conta com a participação da população para que sempre ligue para os números 181 (Disque Denúncia) ou 190 (Polícia Militar) ao perceber qualquer movimentação suspeita. A Ligação é gratuita e não é necessário se identificar.

Com informações da Polícia Militar.